Menu -->
Image 1

CURSO GERAL DE NATUROPATIA E CIÊNCIAS TRADICIONAIS HOLÍSTICAS

Informação Geral

A Naturopatia é um sistema de cuidados de saúde primários e continuados que juntamente com a participação ativa do paciente permite o equilíbrio da sua saúde fisiológica, física, mental e emocional.
A Naturopatia rege-se pelos seguintes três grandes princípios:
1. O poder curativo da natureza ou Vis Medicatrix Naturae: que preconiza a existência de uma “força vital” que promove a auto-cura ou auto-equilíbrio do organismo;
2. O Holismo: que representa a conexão e interação entre os componentes estruturais, bioquímicos, mentais e emocionais do paciente. A disfunção numa área leva invariavelmente a um ou mais distúrbios noutra(s) área(s) do organismo;
3. A individualidade: As pessoas são, geneticamente, bioquimicamente, estruturalmente e emocionalmente diferentes umas das outras. Cada pessoa responde de maneira diferente às agressões de que é alvo, sejam elas mentais, emocionais, estruturais, nutricionais, sociais ou culturais.
Em Portugal, a Naturopatia tem o seu enquadramento legal tanto na Lei 45/2003 como na Lei 71/2013, que vem regulamentar a primeira e cujo processo de regulamentação se encontra em curso, estando ainda enquadrada na Lei de Bases de Saúde (Base 26 – Terapêuticas Não Convencionais).
Portugal tem dado importantes passos no sentido da total integração da Naturopatia no seu Sistema Nacional de Saúde, seguindo diretrizes específicas Organização Mundial de Saúde.
Independentemente do momento em que se encontra o processo de regulamentação da Naturopatia no nosso país e no restante espaço europeu, o recurso a uma abordagem natural e holística na promoção da saúde é uma realidade em praticamente toda a sociedade ocidental dos dias de hoje.

O exercício da profissão

Um Naturopata ou Fitoterapeuta desenvolve a sua atividade de forma autónoma ou integrado numa equipa multidisciplinar de saúde e bem-estar.

Para o exercício legal da profissão de Naturopata ou Fitoterapeuta deve ter uma cédula profissional, definitiva ou provisória. Para conhecer o mecanismo de obtenção desta cédula profissional deve contatar a ACSS – Administração Central do Sistema de Saúde (http://www.acss.min-saude.pt/2016/09/23/terapeuticas-nao-convencionais/)

Pode desempenhar a sua atividade em diversos ambientes como consultórios de especialidade, clínicas médicas convencionais, hospitais privados, centros de saúde e bem-estar, clínicas de reeducação alimentar, centros dietéticos, ginásios, health clubs, farmácias, laboratórios de produtos farmacêuticos ou suplementos alimentares e ainda homeopáticos, consultórios de psicologia, de nutrição, dietética, etc.

O Naturopata, especificamente, é um profissional de medicina natural generalista muito procurado pelo público em geral para o tratamento e prevenção de diversas patologias. É igualmente procurado por outros profissionais de saúde, no sentido de complementarem as suas terapêuticas, pois a abordagem do Naturopata permite uma integração competente com diversas áreas conducente à mudança e adequação de hábitos saudáveis de vida.

O Fitoterapeuta, por seu lado, é um profissional especializado em prescrição terapêutica de produtos de saúde à base plantas medicinais.

Objetivos

Um Naturopata ou Fitoterapeuta desenvolve a sua atividade de forma autónoma ou integrado numa equipa multidisciplinar de saúde e bem-estar.

 No final do Curso, o Naturopata deve ser capaz de:*

a) Atuar na sua prática profissional de modo a promover a saúde e prevenir a doença dos seus clientes, avaliando-os, realizando o exame de saúde naturopático e utilizando meios de diagnóstico próprios da naturopatia de forma a avaliar a constituição e vitalidade e a diferenciar os fatores que determinam os padrões de desequilíbrio sistémico e as suas relações no contexto do utente de acordo com a aplicação das teorias da naturopatia;
b) Reconhecer as situações em que as queixas do cliente possam ser indicadoras de patologias ou problemas fora do âmbito da naturopatia e necessitem da intervenção de outro profissional;
c) Aconselhar regimes nutricionais, dietéticos e estilos de vida;
d) Investigar e avaliar, em conjunto com o cliente, os fatores individuais que podem afetar a sua saúde e bem-estar;
e) Prestar informação aos clientes e ao público com vista à promoção da saúde e à prevenção das doenças;
f) Analisar problemas, recolhendo e interpretando os dados, e resolvê-los, fundamentando o raciocínio e as decisões;
g) Ministrar combinações ou fórmulas de plantas e acompanhar a evolução do tratamento de acordo com a legislação em vigor para esses produtos;
h) Reconhecer e intervir perante reações adversas ao tratamento naturopático;
i) Manter a sua própria saúde e estabelecer uma relação terapêutica adequada com o cliente;
j) Avaliar criticamente a sua prática da naturopatia através da autorreflexão, respostas dos clientes e dos colegas, análise de casos e auditorias;
k) Ler criticamente a literatura científica e incorporar a informação na sua prática.
* Conforme Portaria n.º 207-A/2014
Para o exercício legal da profissão de Naturopata ou Fitoterapeuta deve ter uma cédula profissional, definitiva ou provisória. Para conhecer o mecanismo de obtenção desta cédula profissional deve contatar a ACSS – Administração Central do Sistema de Saúde (http://www.acss.min-saude.pt/2016/09/23/terapeuticas-nao-convencionais/)

O Naturopata, especificamente, é um profissional de medicina natural generalista muito procurado pelo público em geral para o tratamento e prevenção de diversas patologias. É igualmente procurado por outros profissionais de saúde, no sentido de complementarem as suas terapêuticas, pois a abordagem do Naturopata permite uma integração competente com diversas áreas conducente à mudança e adequação de hábitos saudáveis de vida.

O Fitoterapeuta, por seu lado, é um profissional especializado em prescrição terapêutica de produtos de saúde à base plantas medicinais.

O Curso


Menu
Plano de estudos
Relação Curricular
Locais de Realização

Lisboa e Porto

Horário

O curso de Naturopatia decorre de segunda a sexta, em horário laboral (9h00-13h00).

Condições de Acesso

Candidatos com 12º ano de escolaridade.

Candidatos sem o 12º ano de escolaridade sujeitos a prova de acesso e entrevista.

Número máximo de alunos por turma

Para o CURSO GERAL DE NATUROPATIA E CIÊNCIAS TRADICIONAIS HOLÍSTICAS . estão previstos um máximo de 25 vagas por turma.

O limite de 25 vagas permite oferecer garantias de acompanhamento pedagógico por parte do docente nas disciplinas práticas, maioritárias neste curso.

Documentação Necessária

Para proceder à inscrição será necessário:

Fotocópia de BI / Cartão de Cidadão

Declaração de responsabilidade (substituição de boletim de vacinas)

Certificado de Habilitações

Preenchimento do Boletim de Matricula (Ficha de Inscrição)

1 Fotografia tipo passe

Material Necessário

De carácter obrigatório (aulas práticas):

Bata

Calçado adequado

Recomendado:

Bibliografia indicada pelos docentes

Parcerias/Reconhecimentos
Certificação

A frequência e consequente aprovação no presente Curso, em virtude do IMT estar certificado pela DGERT – Direcção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho confere um Certificado de Formação Profissional emitido como previsto no SNQ – Sistema Nacional de Qualificações e Portaria nº 474 de 2010, registado na Plataforma SIGO – Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa.



Corpo Docente


Prof. João Beles

Prof. Abdelhack Lemsadek

Doutorado em Biologia com especialidade em Microbiologia. Licenciado em Biologia. É Investigador na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa. Professor do Mestrado de Microbiologia Aplicada da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Ao longo dos anos participou em diversas comunicações científicas.

Prof. Alain Barberá

Formado em Naturopatia e Hidroterapia de Clon pelo Institut International de Recherche en Homeopathie et Biotherapie Montreal Canada e Naturopatia pela Facultá de Medecine Naturelle de Paris. É ainda licenciado em Psicologia pela A.W. University Iowa E.U.A. Naturopata especialista em Hidroterapia do Clon, Isopatia, Homotoxicologia e Psicossomática. Coordenador do CURSO GERAL DE NATUROPATIA E CIÊNCIAS TRADICIONAIS HOLÍSTICAS . do IMT

Prof. Eurico Ruivo

Formado em Socorrismo pela Cruz Vermelha Portuguesa e Tripulante de Ambulância de Socorro pelo INEM, Instituto de Emergência Médica, possui ainda outras formações específicas na Área da emergência médica. A sua actividade profissional tem sido dividida entre a área da formação, onde lecciona Suporte Básico de Vida, e a área de Tripulante de Ambulância de Emergência, junto do INE

Prof. Fernando Pessoa

Doutorado em Biologia Molecular pela Universidade de Lisboa (trabalho desenvolvido no ICAT - Instituto de Ciência Aplicada e Tecnologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e no Max Planck Institute of Molecular Plant Physiology em Berlim). Licenciado em Biologia Vegetal Aplicada pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Pós-graduação em bio-informática pelo programa conjunto da Faculdade de Ciências da Universidade de.

Prof. Hugo Pedrosa

Licenciado em Educação Fí­sica e Desporto pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Curso Técnico de Fisioterapia pela Escola Técnica de Formação Profissional Especializada, curso de Terapia Geotermal (Stone Therapy) pela Escola EFAPE. Curso de Reflexologia Clê­nica Podal pela escola de Formação Especializada Metódica e Analítica Unipessoal, entre outras formações.

Prof. Inês Costa

Licenciada em Psicologia Clê­nica pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), Mestrado em Psicologia Clê­nica pelo ISPA. Curso de especialização em psicoterapias na clínica de investigação e desenvolvimento psicológico Contemporâneo. Actualmente exerce funções de psicóloga na CUP (Clê­nica universitária de psicologia), docente no ISPA e investigadora na UIPCDE (Unidade de Investigação).

Prof. Jorge Martinho

Mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar pela Faculdade de Ciências e Tecnologia. Bacharel em Nutrição Humana pelo Instituto Piaget entre outras especializações.

Prof. Luciano Alves

Licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem Artur Ravara. Pós-Graduado em Reabilitação Cardí­aca na Faculdade de Motricidade Humana. Curso avançado de Reabilitação Cardíaca no Hospital Universitário de Berne (Suiça).

Prof. Luís Lavado

Especialista em Medicina Chinesa. Frequência do Mestrado em Acupunctura Bio-energética e Moxabustão na Universidade de Medicina Chinesa de Yunnan. Possui várias formações na área da Medicina Chinesa como Acupunctura Zonal, Acupunctura Abdominal, Acupunctura do Segundo Metacarpo e Acupunctura Estética (Associação Brasileira de Acupunctura Estética) bem como em Mesoterapia, Taping Neuromuscular e Dorn-Breuss. Exerce Medicina Tradicional Chinesa em diversas clínicas. Cédula Profissional nº 405. Coordenador e Formador do IMT nas áreas de Shiatsu, Tui-Na, Auriculoterapia e Técnicas Manipulativas II no âmbito do CURSO GERAL DE NATUROPATIA E CIÊNCIAS TRADICIONAIS HOLÍSTICAS . . Licenciado em Sociologia do Trabalho.

Prof. Manuela Ferreira

Formada em Naturopatia pela ECNH. Curso de Podoreflexologia pela Universidade Beijing de Medicina Tradicional Chinesa. Curso de Macrobiótica pelo Instituto Macrobiótico de Portugal.

Prof. Michele Pó

Licenciada em Design e Tecnologias de Cerâmica pela Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha. Possui vários cursos na área da de Terapia Ayurveda, donde se destaca a Ayurkedram Herbs Health Foundation & World of Yoga Cochin, ͍ndia. É Consultora e Formadora em terapia nutricional e culinária ayurvédica e desde o ano 2005 publica vários artigos relacionados com a área de alimentação.

Prof. Pedro Alves

Prof. Rudolfo Montemor

Licenciado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. É Médico Interno de Otorrinolaringologia no Hospital de S. José, já tendo também exercido funções na área da Clí­nica Geral, Medicina Desportiva e do Trabalho, Urgências Hospitalares e Domiciliárias. Participou em cursos e congressos nacionais e internacionais tendo apresentado alguns trabalhos nestes. Colabora com o IMT.

Prof. Rui Pinto

Formado em Homeopatia pela Escola das Ciências Naturais e Homeopáticas. Formação em Homeopatia pela Sociedade Portuguesa de Homeopatia através do seu instituto de formação superior em bioterapia. Diplomado em Naturopatia por equivalência curricular pelo College of Naturopathi and Complementar Medicine UK. Licenciatura em enfermagem. Licenciatura em Osganização e Gestão de Empresas pela Universidade Moderna. Mestrado em Ec.

Prof. Sandra Santos

Licenciada em Farmácia pela Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches,TDT Farmácia no Hospital de Dona Estefânia, Reflexoterapeuta, Aromaterapeuta. Formada em Reflexologia e Aromoterapia pelo Instituto de Medicina Tradicional, em Lisboa Membro da Comissão Organizadora e Prelectora em Congressos e Workshops no âmbito da Pediatria em Farmácia. Co-autora do artigo "Stability of Folic Acid in Extemporaneous Oral Suspension", - artigo publicado no nº

Prof. Sérgio Pratas

Formado em Naturopatia pelo Instituto de Medicina Tradicional. Curso de Suporte Básico de Vida e Técnico de Emergência Principal pela Cruz Vermelha. Frequência do Curso Geral de Osteopatia no Instituto de Medicina Tradicional.

Prof. Telma Ponciano

Formada em Naturologia com especialidade em Osteopatia pela ESBS. É terapeuta na área da naturopatia e osteopatia em consultório próprio.

Prof. Teresa Semedo

Doutorada em Biologia. Mestre em Ciência e Tecnologias dos Alimentos e licenciada em Biologia. É Investigadora na Faculdade de Medicina Veteriná:ria da Universidade de Lisboa. Professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa onde lecciona a disciplina de Laboratório de Microbiologia. Orienta estágios de alunos em mestrado da Faculdade de Medicina Veterinária.

Prof. Vera Cupido

Licenciada em Estudos Europeus pela Universidade Moderna de Lisboa. Formada em Naturopatia e Ciências Tradicionais Holí­sticas pelo IMT. Desenvolve actividade em consultório privado.

FAQ´s


Menu
1. Preciso de estar registado nalguma associação, federação ou ordem para exercer Naturopatia ou Fitoterapia?

R:. Não. A Prática da Naturopatia ou Fitoterapia, tal como está previsto na Lei nº 45/2003, Lei 71/2013 e Portaria 207-A de 2014 não identifica essa obrigação para o seu exercício, no entanto, o associativismo profissional é uma mais valia para qualquer profissional, independentemente da sua área de atuação, pois o contacto com outros profissionais com interesses comuns traz diversos benefícios.

2. Há muita informação contraditória e pouco clara em circulação. Afinal, o que é preciso para poder exercer Naturopatia ou Fitoterapia de forma legal?

R:. Para o exercício legal de Naturopatia ou Fitoterapia (tal como qualquer outra das sete terapêuticas não convencionais regulamentadas) é necessária uma Cédula Profissional. Para se obter a cédula profissional existem duas formas. Uma é através de uma licenciatura em Naturopatia ou Fitoterapia (Artigo 5º da Lei 71/2013 e Portaria 172-C/2015) e outra é através da disposição transitória prevista no Artigo 19º da Lei 71/2013, aplicável ao Curso Geral de Naturopatia com variante optativa em Fitoterapia, do IMT.

3. Em que consiste a variante optativa em Fitoterapia?

R:. Consiste na possibilidade do aluno de Naturopatia poder optar, a partir do 3º ano, por uma variante de especialização em Fitoterapia, concluindo a sua formação em Fitoterapia ao invés de Naturopatia. Em alternativa, poderá optar por concluir primeiro o plano de estudos de Naturopatia, findo o qual, optar então pela frequência da especialização em Fitoterapia.

4. O curso do IMT é uma licenciatura?

R:. Ainda não. Para que o curso do IMT possa ser uma licenciatura é necessária a publicação da legislação prevista no Artigo 19º da Lei 71/2013. A publicação desta legislação é fundamental para que se possa realizar a adequação do IMT ao RJIES – Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior. Esta publicação encontra-se em atraso desde 2013, data prevista para a sua publicação.

5. O curso do IMT dá direito à Cédula Profissional?

R:. De acordo com a legislação recentemente promulgada pelo Presidente da República, que veio proceder à segunda alteração à Lei 71/2013, o candidato, aluno do IMT, poderá requerer cédula profissional junto da ACSS. Ao fazer este requerimento irá submeter-se a um processo de avaliação de candidatura nos termos previstos na Portaria 181/2014 de 12 de Setembro, cabendo assim à ACSS e avaliação do candidato para emissão de cédulas profissionais e não ao IMT.

6. O IMT dá apoio para iniciar a minha atividade?

R:. Sim. O IMT, através do GAP (Gabinete de Apoio Profissional), faz atendimento, aconselhamento e encaminhamento para a inserção no mercado de trabalho. Seja ao nível do recrutamento para as clínicas do IMT bem como no encaminhamento para outros prestadores deste tipo de serviços ou ainda no apoio ao estabelecimento por conta própria.

7. Como funciona o Estágio?

R:. O Estágio inicia-se já durante o terceiro e o quarto ano do curso, onde o aluno será convidado a frequentar o programa de Treino Clínico Tutorado. Após conclusão do último ano do curso o formando dará continuidade ao seu Plano de Estágio através do programa de Treino Clínico Tutorado, clínicas do IMT ou clínicas parceiras.

8. O Curso é acreditado pela DGERT?

R:. A DGERT (Direcção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho), como entidade reguladora das áreas da formação profissional, não acredita cursos, o que a DGERT acredita é a competência de uma entidade para realizar formação profissional, independentemente da área. O IMT é uma entidade formadora acreditada pela DGERT, significando isto que os processos que utiliza garantem resultados de qualidade.

9. Como posso avaliar a qualidade deste curso?

R:. A qualidade de um curso é avaliada com base em diversos fatores, de onde destacamos: Parcerias e reconhecimentos; Estrutura e experiência da Instituição; Competências dos quadros; Qualidade do corpo docente; Adequabilidade do curso ao mercado profissional; Certificações e Afiliações; Metodologia de aquisição de competências utilizada, que no caso especifico passa por um modelo misto de horas de contacto, horas de práticas clínicas e horas de autoestudo orientado, de acordo com modelos de sucesso testados noutros países, onde os docentes desenvolvem as competências dos alunos não só em sala mas fora dela, suportados em metodologias de estudo de caso.

10. O IMT tem um protocolo de colaboração com a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, em que consiste e que mais valias me traz enquanto aluno?

R:. O protocolo assinado com a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, consiste essencialmente num acordo que prevê uma cooperação em matéria de ensino, investigação e desenvolvimento e outras áreas de interesse comum, tendo resultado ainda na constituição da Associação CETNOFARM, com vista ao desenvolvimento de projetos conjuntos em etnofarmácia. As mais valias para os alunos do IMT são diversas, onde se destaca o acesso à Biblioteca (física e on-line) da FFULisboa, visitas técnicas ao laboratório de plantas medicinais, participação em sessões de formação, seminários, reuniões científicas, etc.

Contacto

IMT Lisboa Rua Alfredo da Trindade, 4-A

Campo Grande 1600 - 407 Lisboa

Telefone: 213 304 965 | 932 304 965

E-Mail: info@imt.pt

IMT Porto Av. de Camilo, 327 a 329 4300-096 PORTO

Telefone: 222 010 276 | 939 010 276

E-Mail: secretariaporto@imt.pt


Entra em Contacto:

Clica aqui